All the boys to the yard

I can finally read again…

ENG - Clarity slowly returns, that’s a plus, but it also sheds light onto not so positive facts and situations regarding my condition and other things that are or were happening around me. Things I wished were just a product of my altered perception of reality when things got rough, but sadly some are not, and I just have to accept them and carry on. There are still a few questions unanswered that require patience more than anything else, and if there’s one thing I’ve known for this past year is patience, and that I don’t need all the answers, but it still leads to mild anxiety.

 Also not so stoked on moments of extreme exhaustion or relentless agitation, like my mind is racing faster than my body can keep up with, like there is a beehive inside me. I speak too fast, think too fast, I catch myself between thought and word, stutter sometimes even if no one notices, or I just get the urge to lay down for a bit, and just like that couple of hours go by, in fact I sleep for more than half of the day.

 On the plus side I can finally read again, and got an amazing book by an ever greater old and wiser brother and friend. A true gentleman, a man of words and word, as one of the few respectable lawyers I know. A man where eloquence is personified.

 I’m devouring this thing on Sadhu Sundar Singh. My former companion lived and worked for a while in an orphanage in India, and her eyes sparkled whenever she spoke of it, of the smells, the sounds, the colors the flavors, she even made me eat with my hands once! But for the first time ever I actually want to go to India:

image

 Other gifts come in form of unexpected get aways and coffee by the ocean, walks, exploring, meals, visits even from abroad,  phone calls, skype calls, hugs (specially hugs)

image

but the most unexpected gift was a collection of video testimonies of friends expressing how much I mean to them, I would share it but it’s too personal. I cried for the first time in a month or so, since the meds make it hard for it to happen, but it felt good, it felt real, and I felt painfully loved.

image

I feel my notion of self is expanding, a day at a time, and I’m embracing that. When I took this picture I thought of how I lost all fear to die at all, but that I can chose to live instead. That I’m not a victim, I have a saying I have a choice. I can be at the edge of a cliff and not be drawn to jump of it anymore, I can see it for what it is.


Today is therapy day…don’t know what to expect. Progress is slow and almost invisible at times, but hope remains.

God is good

blinds down

ENG - 3 straight days with the blinds down. Guess it’s true what my therapist said: “You’re feeling better, you look better, but you’re stuck with me for a while.” 

 I’m so frustrated by how elusive this thing is. I can’t see it, I can’t tell what’s going to happen the next day, I’m so exhausted all the time, and anxiety found it’s way back to me. Hope remains.

ENG - Finding something in the middle of nowhere, with no context or reason whatsoever, and still being attracted more than intrigued by it. Some things just “are”…

ENG - Finding something in the middle of nowhere, with no context or reason whatsoever, and still being attracted more than intrigued by it. Some things just “are”…

It isn’t easy, it’s just different…

ENG - Life is weird right now!
Climbing out of a hole was never this…easy!

It isn’t easy at all, it’s just different than I expected. Every couple of days there is a genuine and unmistakable outpouring of grace, favor, and love, and too many things to be grateful for. In short, while healing takes place, there are too many things that draw my attention, things I could never think would be happening, things I never imagined I would be a part of and it all leads me to fix my eyes on the one thing I need, with thanks giving in my heart. 

Maybe it’s the meds, maybe not, and a whole day of therapy awaits me, but at this very moment I can say “I’m happy”.

God is good


From left to right…

 ENG - I’m undergoing therapy, and today I saw my “new” psychiatrist. A wise “mature” tender lady that shares her ancestry with me, we’re both “Cantanhom”, meaning of African (Cape Verdean) descent. 
 
 I thought it would be a quick in and out, cold and calculated analysis/experience, that seems to be the norm, but my 15 minute appointment turned into one of the most significant one and a half hour conversations I’ve ever had. Sure she prescribes drugs (which she didn’t) but her years doing so turned her into something close to my counselor, a warm and carrying human being.

 She asked me questions from when and how I was born, my family background up to present day, and gosh she read me like an open book, and described me in detailed ways I have never heard a complete stranger do so, even people that think they know me, can’t do that to this degree. She “read” me, she totally did! My words, my experiences, my tone, my body language, my appearance, everything. 

 I was in shock! I was like: "wait a minute, I didn’t tell you that, how do you know?" And I repeated it a few more times, like when she asked "Have your headaches stopped since you’ve been on medication?" 
 
"How do you know I’ve had headaches and migraines? I’ve had them since I hit puberty!" And she just said "Oh I knew that too!"

 A few questions stayed with me: "Are you left handed?" to which I replied "I was, but in second grade I lived with my portuguese grandparents, and they made me learn how to write with my right hand, and use it for everything", then she asked: "You’re a spiritual person aren’t you?" Right again! And then came the:"Were you a bed wetter?"

 I couldn’t relate the two things being left handed and a wetting my bed as a child, I don’t know what makes a “bed wetter”, Sure I did it, I just don’t know if I did it more than everyone else!

 Anyway, I got home late at night and stumbled on an article about left handed people, the whole history about it, and about changing left handedness to right and it’s effects on an individual, and that’s where the connection might lie. I was a bit shocked to say the least on how I can relate to some of the “symptoms” these people go through, and to learn that some people had to teach themselves over the years to perform with their left hand, feet, etc, and their symptoms subsided. Turns out that it can have a direct co-relation to anxiety disorders and depression, and some social interaction problems. But it also can have good things come out of it with time, like higher IQ due to both hemispheres having to work as opposed to a dominant one, so say some experts.

 By mere chance yesterday I performed a few IQ Tests, and I scored 130, which is pretty high considering I skipped all the number related questions. I’m not trying to brag (OK maybe a bit) but I wonder how would I perform and be as an individual had I remained a “lefty”. I do most things with my right hand, but I do skateboard or surf “Goofy” and I aim and shoot with my left eye.

 Anyway it also appears I have O.C.D. I always suspected it, and she caught it, luckily it relates more to “doubts” (i.e., the worry that something important has been overlooked or that the sufferer has unknowingly inflicted harm on someone, order or symmetry).

 This is a strange place to be in my life for sure. I’m realizing I really don’t know myself that well, and I’m slowly coming to terms with who I am, and just accepting it, but it really gets to me that somethings are just out of my control, and a lot of it has little to do with things I’ve done or that I can do, rather things done to me.

Anyway I’m really blessed and thankful to know I’m in good hands.


This is a neat chart found on this interesting article.


PT - Hoje encontrei a minha fotografia favorita: Saudades do sorriso do meu pai, e a minha mãe está tão bonita. Casava com ela!ENG - Today I found my favorite photograph ever: missing my dad’s smile, and my mother looks so pretty. I’d marry her!

PT - Hoje encontrei a minha fotografia favorita: Saudades do sorriso do meu pai, e a minha mãe está tão bonita. Casava com ela!

ENG - Today I found my favorite photograph ever: missing my dad’s smile, and my mother looks so pretty. I’d marry her!

"Ainda não fazem pessoas de Algodão…"

PT -  Quem me rodeia de perto no ultimo mês, já deve estar cansado de certo tipo de referências ou porque não piadas, que podem não ter necessariamente piada para quem as ouve de coração apertado, para quem não sabe o que pode acontecer quando me deixarem só, e que por mim intercedem noite e dia com um peso que me custa perceber que carregam por mim, mas eu conseguir fazer piadas sobre isso é para mim bom sinal. Significa que aceito a minha condição de alguém que atravessa uma depressão séria, e que por pouco não teve consequências mais “definitivas”. 

 Falo disto sem pudor, falo disto sem querer puxar sobre mim o manto do “coitadinho”, falo disto sem vergonha, porque foram precisamente palavras de pessoas que de uma maneira ou de outra passam ou passaram pelo mesmo que me fizeram suspeitar da minha condição, uma ajuda preciosa em momentos que de facto sentia que estava a chegar a um ponto em que nada fazia sentido, em que pensamentos se misturavam em emoções e se repetiam em loop durante horas a fio, noites a fio, semanas a fio, ao ponto de tudo ser um misto de emoções, ansiedade, manifestações físicas e zero de lógica. Via-me sem controle absoluto sobre isso, era aguentar que a onda gigante fosse embora, mesmo quando parecia insuportável.

 A pergunta mais repetida pelo médico, psiquiatras, psicólogo foi: "Perdeu o interesse em coisas que outrora lhe davam satisfação, prazer?"

 
Nunca consegui responder a essa pergunta, pelo simples facto de sentir que já há muito tempo que me habituei a este estado, era já a minha normalidade. Talvez um pouco contra a imagem que muita gente pode ter de mim de alguém criativo, dinâmico, sempre em cima de coisas e acontecimentos, na verdade sou aborrecido e encontrei refúgio em ficar por casa, isolar-me, não sair, não fazer nada com 100 possibilidades à minha volta por dia/noite, e quando fazia alguma coisa tentar ou fingir que me estava a divertir imenso, em refeições, viagens inclusive, e não fazer nada de especial ou extraordinário tirando em caso de extrema necessidade coisas simples como correr ou percorrer de skate o paredão de Paço de Arcos a Carcavelos sob o disfarce de “exercício físico”, mas no fundo era a única medicação que conhecia, libertar endorfinas cansar o corpo, desligar a mente, tudo com um sorriso pesado demais para manter.

 Uma coisa persistiu, não sei se necessariamente sob a forma de satisfação ou prazer, mas fazer música, produzir música, fazer arranjos, ensaiar, e ocasionalmente realizar um vídeo aqui e ali permitiam-me sentir que havia sentido nas coisas. O processo de organizar o puzzle que é uma canção e deixa-la ser ela própria, de editar uma sequência de imagens e deixa-las respirar, de ensaiar com os “D’Alvas” e sentir a maneira como cada vez mais estamos colados como unidade, de algum modo fazem-me sentir que é possível ter algum controlo (ainda que relativo) sobre algumas coisas, e que consigo encontrar sentido nesses pequenos universos que criamos ou descobrimos, e sim, percebi que ainda tiro algum gozo disso, mas é mais por sentir sentido, ordem, “acção reacção”, coerência mesmo em coisas inesperadas, mas acima de tudo  ar…poder respirar fundo.
  
 Curiosamente as coisas que tenho feito em pouco reflectem a minha condição, algo que a início fiz voluntariamente mas agora é natural, não deixar verter a escuridão para o meu trabalho. Não quero olhar para a arte apenas como um balde do lixo, já o fiz por muitos anos, e sinto que a desrespeitei ao faze-lo. Vejo a arte como algo profundamente espiritual e não como bóia de salvação ou terapia de ultimo recurso, sendo que pode ter esse efeito secundário, mas sendo alguém que crê ser criado pelo supremo Criativo e Criador e sabendo que herdo parte da “imagem” desse Criador, faz todo o sentido que criar seja um exercício tão espiritual como qualquer outra expressão de adoração ou culto ou experiência espiritual.

 A “arte” manteve-se durante todo este ultimo (difícil) ano intocada, pura, leve, equilibrada, mas mais importante, manteve-se delicada, elegante e mais focada que nunca. Nunca os meus sentidos estiveram tão apurados e ao mesmo tempo tão soltos e desligados das emoções que sentia, consegui chegar a um ponto que desesperadamente almejava: fazer, criar, sem o peso do que carrego ou me rodeia, sentir-me só, a sofrer, pesado, mas criar algo no oposto, cheio de vida, beleza e o peso e leveza certas.

 Abraço alguns clichés, outros nem tanto, e os que não gosto tento fugir tanto deles, que acabo por fazer um “full circle” e quando dou por mim sou e faço o que não quero. Um desses clichés que não gosto particularmente é o de fazer da arte uma terapia, mas que ajuda, ajuda, e não parei de criar. Desde que fui diagnosticado e comecei a terapia percebi que não devia parar, mas que o ritmo a que faço as coisas tem de mudar, não só agora mas daqui em diante. Toda a gente que me conhece me diz constantemente: “Ia falar contigo, ia-te pedir que me ajudasses mas estás sempre tão ocupado”. Ouvi isto tantas vezes que o ano passado decidi limitar-me a duas das cinco coisas que fazia profissionalmente. Informei quem trabalha ou colabora comigo que neste momento não vou mais trabalhar ao mesmo ritmo, primeiro porque me é impossível, e segundo porque simplesmente não quero.

 Dentro desse novo “ritmo” dou por mim a produzir alternadamente 4 discos ao mesmo tempo, 2 vídeos, e pós-produção de 1 editorial de fotografia, o que pode parecer muito, mas no passado estaria a fazer o dobro facilmente. Agora sei quando parar, sei que não posso não devo nem quero “ir a todas”, mas mais importante sei que há coisas que tenho de as fazer e que não são obrigação, são como respirar, são expressões de louvor, são aliás sacrifícios de louvor, no meio de tanta escuridão, incerteza, dor e perguntas sem resposta.

 Uma das coisas boas da arte, em particular a música é o de poder ser algo colectivo, sendo que qualquer artista tem uma visão bastante particular do que cria e como o cria, e por vezes abrir mão de um método, de uma ideia é doloroso, as ligações emocionais que temos com o que criamos são fortes, como a de um amor a um filho seja ele gordo, magro, alto ou baixo, bonito ou menos bonito, amamo-los, e protegemo-los. Mas de facto o melhor acontece quando o trabalho tem algum nível de partilha o que requer doses gigantes de confiança, mas o resultado final fica infimamente mais rico, fica algo “meu e teu” fica algo único, algo maior que a soma das suas partes. Tiro satisfação de ajudar e guiar pessoas nesse processo, de se descobrirem e se celebrarem ao invés de se cons(des)truírem e forçarem-se a ser coisas por causa de razões externas a eles mesmo. Eu descubro sempre algo novo também sobre mim.

E este texto enorme para dizer o quê?

"Ainda não fazem pessoas de algodão, ainda não fazem pessoas que enxugam as suas próprias mágoas"

 A lição maior que aprendo com o que atravesso, descrita pelas palavras do brilhante músico brasileiro Cícero Rosa Lins numa canção que trabalhei e produzi com a Ana Cláudia, (com alguma ajuda do Alex D’Alva Teixeira) e que vale por mais de metade do que aqui tentei explicar por palavras. 

"Parabéns Ana" pelo que fizeste e trouxeste que é totalmente teu e mais ninguém te pode tirar.
"Continua Ana" a administrar e a descobrir este talento que Deus te confia, pois no processo outros vêm um pouco desse grande "amor que nos prende e ao mesmo tempo nos liberta".
"Força Ana" que as circunstâncias os medos as inseguranças e os tropeços e até mesmo os “accomplishments” não definem a tua identidade, mas algo bem maior.
"Obrigado Ana" por confiares em mim para trazer cá para fora o que vejo e oiço em ti, e pela nossa amizade ser um testemunho que o perdão e a reconciliação são caminhos e processos difíceis mas reais, alcançáveis e podem ser plenos.

 E obrigado a quem me rodeia, quem aparece cá por casa, quem me traz refeições, quem me leva a passear, quem me liga, quem me escreve, quem me ama e comigo sofre, e quem por mim intercede, vocês são o meu algodão.


Invisible Opponent

ENG - Almost a month ago I’ve been diagnosed with depression. Since then a lot more things make sense, but a lot of them still don’t. The craziest thing is to realize I’ve been dealing with this for a few years now, and just thought it to be “normal”. Inside I actually felt like something was wrong with me, but I figured it was just the way I was.

 My eyes have been opened to a new reality, about my self, what surrounds me and how I process it. It also opened my eyes and heart to others who have in the past or still battle with this invisible opponent today.
 As a person of faith, a convicted Christian, this was always one of those weird topics, and I held some stupid belief that seeking help would mean to admit defeat, to have little to no faith, to be a failure, to preach something I couldn’t live out, even though one of my best friends is a psychoanalyst and my ex-girlfriend a psychologist…so I resisted as long as I could in any way I could, to the point it got “dead serious”. If ignorance could kill…well it almost did.

 If you’ve noticed that I have been more absent than usual in every way, personally or socially, this is why. I’m undergoing therapy, and I’m medicated, but for some reason my body hasn’t adjusted to the meds yet. Every day is different, every night is certainly different.
 I’m either exhausted physically or mentally, or I’ll go without sleep a few nights in a row without even feeling tired. There are strange side effects as my body adjusts, and in one day I can feel exhilarated as I haven’t felt in years, and the next I’ll just wake up shaking for no reason to the point I can’t even drive my car to a meeting until it subsides. Every day is different, every moment of joy is a precious gift.

 One of the worst things that came with this is anxiety, which had been haunting me almost on daily basis for the most part of a whole year, turning the simple task of getting out of bed into something that makes me fear for my life…for no logical reason. This also happened in other areas of my life, affecting the way I perceived certain things, and even my actions. I’m still under this “dark cloud” for a lack of a better word, but at least now I see it. I could say a lot about this, and I might, but for now I’ll just keep it short. I’m surrounded by people who love and care for me, I’m resting as best as I can, and I’m getting to know myself I suppose. I feel protected and safe, and that is something that haunted me big time. I felt immensely alone, cornered, and no one could see it.

 If this troubles you please turn it into prayer, it’s the best thing to do.

B

PT - Usem o Google Translate, não tenho energia para traduzir!

Em 2013 perdi e aprendi coisas boas…e más (felizmente), e numa altura pessoalmente bastante difícil  nasce este trabalho. Quase um ano depois e numa altura igualmente desafiadora esse trabalho é reconhecido, e o meu pequenino coração encheu, sorriu e ganhou qualquer coisa. Deus de facto confiou-me com talentos e dons sobejamente e a ele pertence qualquer e todo o tipo de glória. Partilho a simbólica vitória com a minha mãe e família, com os meus amigos que literalmente me suportam em braços e abraços, o @alexdalvateixeira por confiar, e a restante equipa D’Alva. Um agradecimento à equipa #offbeatz e #shortcutz. #somosdalva e #solideogloria

Em 2013 perdi e aprendi coisas boas…e más (felizmente), e numa altura pessoalmente bastante difícil nasce este trabalho. Quase um ano depois e numa altura igualmente desafiadora esse trabalho é reconhecido, e o meu pequenino coração encheu, sorriu e ganhou qualquer coisa. Deus de facto confiou-me com talentos e dons sobejamente e a ele pertence qualquer e todo o tipo de glória. Partilho a simbólica vitória com a minha mãe e família, com os meus amigos que literalmente me suportam em braços e abraços, o @alexdalvateixeira por confiar, e a restante equipa D’Alva. Um agradecimento à equipa #offbeatz e #shortcutz. #somosdalva e #solideogloria

Man crush a todos os níveis. #gostardehomens

Man crush a todos os níveis. #gostardehomens

Ben Monteiro's rants and such...
"Cento" Copyright © Andrew Brinker 2011.